quarta-feira, 16 de junho de 2010

NOSSA SENHORA DO MATE GAÚCHO - Padroeira do Mercosul

Hoje na aula de Mariologia todos os alunos do V semestre de teologia apresentamos títulos mariandos diversos. O título que escolhi foi o de “Nossa Senhora Gaúcha do Mate” ou “Nossa Senhora do Mate Gaúcho”, ou ainda, "Nossa Senhora do Chimarrão" que atualmente é o título mariano que homenageia Maria, Mãe de Deus, como padroeira do Mercosul.

Sua devoção ainda é bastante restrita, particularmente à Província de Missões, na Argentina, Paraguai e ao Sul do Brasil (Rio Grande do Sul e Santa Catarina - oeste) . Um dos fatores para que a devoção não seja tão difundida pode ser o fato de que este título não está ligado a nenhum tipo de aparição ou milagre. Antes é muito mais uma homenagem prestada à Maria, Mãe de Jesus, por uma parte de seus devotos filhos.

Nossa Senhora Gaúcha do Mate quer ser um título de integração das pessoas, de familiaridade e amizade, valores simbolizados pelo mate gaúcho e pelo desejo de união dos países do Cone-Sul.

Origem da Devoção

Esta devoção não teve origem em uma aparição ou um milagre proclamado, ela nasceu para cristalizar o amor que os gaúchos das regiões dos pampas sentem pela Mãe que os acompanham na vida diária. Há muito tempo eles invocam Nossa Senhora Gaúcha do Mate, desde o raiar do sol quando começam a tomam mate. Neste momento tornando-a presente nas suas mente e coração, ganham força na fé e se sentem muito melhor.

Os títulos de “gaúcha” e do “mate”

Gaúcha é uma palavra que significa pessoa nobre e generosa, usado para identificar os povos originários das planícies dos Pampas do sul da América do Sul. Mate é uma infusão obtida com as folhas da planta 'ilex paraguayensis', amplamente consumida pelas famílias da Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Chile e do sul do Brasil. Cada localidade tem sua particularidade na hora do preparo e consumo. Neste ritual, a exemplo do chá, se expressa o símbolo da família, amizade, encontro e partilha, entre irmãos e amigos, que fortalece e cria novos vínculos. É uma celebração plena de conteúdo humano, cristão e muito regional.

Movimento para o reconhecimento junto à Santa Sé

A invocação à Virgem Gaúcha do Mate é quase tão antiga quanto este ritual. Por isto um grupo de leigos e os padres salesianos da província argentina de Missões, liderados pelo sacerdote Domingos Lancelotti, encabeçaram um movimento junto à Santa Sé a fim de obter o reconhecimento à essa nova devoção mariana. João Paulo II, fervoroso devoto da Virgem, visitou oficialmente a Argentina em 1982 e 1987. Nas duas ocasiões foi fotografado tomando mate e presenteado com muitos mates e cuias para apreciá-lo. Também recebeu importantes testemunhos favoráveis à devoção de Nossa Senhora Gaúcha do Mate como evangelizadora e reflexo da cultura deste pedaço da América.

O movimento ganhou novo impulso em 1989, quando a Conferência Episcopal da Argentina reassumiu sua gestão direta da Igreja Nacional situada na Cidade Eterna. Nas festividades do Natal de 1992, uma comitiva vinda da Argentina entregou ao Papa João Paulo II alguns presentes típicos da região dos pampas. Dentre eles estava um quadro com a cópia da imagem de Nossa Senhora Gaúcha do Mate venerada pela população. A obra original é da artista Maria Inês Rosnhiski uma marista que, inspirada na devoção, representou Maria com roupas comuns e simples, com o cotidiano gesto de servir um mate junto ao braseiro.
Nossa Senhora do Mate Gaúcho
(Maria Inês Rosnhiski)


O reconhecimento e a definição do título

No dia primeiro de maio de 1993, o núncio apostólico argentino recebeu um documento escrito e assinado pelo mesmo Papa, para ser entregue ao padre salesiano Domingo Lancelotti, em que se lê: 'De todo coração outorgamos a implorada benção apostólica, sob os auspícios de Nossa Senhora Gaúcha do Mate'. A mensagem transmitida por essa devoção é de unidade, de família, de fraternidade de amizade, de encontro. A fraternidade entre os povos será um dia a única via indispensável para encurtar suas distâncias, indiferenças, preconceitos e individualismos. Será a Mãe e Padroeira de todos os povos que reunirá todos os seus filhos. Nossa Senhora Gaúcha do Mate está plena desta atualidade como portadora dos desejos de solidariedade e paz entre os homens de boa vontade.

Padroeira da Erva Mate e do MERCOSUL


O quadro original da imagem foi entronizado na igreja da Cidade dos Apóstolos da província das Missões , na Argentina. Sua festa é celebrada na abertura da Exposição anual da Erva Mate, que ocorre sempre na primeira quinzena de julho nesta cidade. Na solenidade de 1994, ela foi proclamada 'Padroeira da Erva Mate' e uma estátua esculpida em madeira, conforme a original, colocada em uma gruta de pedra ao lado do pavilhão de exposições.

Além disto, em 1998 durante a Reunião dos representantes dos países que integram o Mercosul, por expressa solicitação dos cônsules da Argentina, Paraguai e do Brasil foi proposta Nossa Senhora Gaúcha do Mate como 'Padroeira do Mercosul'.



Nossa Senhora do Mate Gaúcho

Rogai por nós que recorremos a Vós!



Imagem exposta na “Sala Mariana”
da Inspetoria das Filhas de Maria Auxiliadora
Porto Alegre, RS
(Foto: Ir. Maike Loes, fma)

2 comentários:

Jaqueline Novak disse...

kkkkk nossa senhora do mate gaucho???
Meeeeeeeee se eu tivesse morrido ontem nao sabia ke tinha essa santa kkkk

THiago_B disse...

Tem mesmo essa santa ai!?
hahaha, que legal uma Santa do Mate!

mas Bah!